Este não é um país para ter filhos, ou porque precisamos do aborto a pedido

0
este-nao-e-um-pais-para-ter-filhos-ou-porque-precisamos-do-aborto-a-pedido

Por isso, vamos saltar fora desta história. Imagine a pessoa X no primeiro trimestre de uma gravidez binária de gémeos. Uma única gravidez já é uma tensão no corpo, quanto mais uma gravidez múltipla. Sim, a gravidez não é uma doença. Mas cada organismo reage de forma diferente, tem fardos diferentes. Talvez a ideia de educar duas crianças ao mesmo tempo seja assustadora. Talvez seja economicamente impossível. Mas nós estamos na Polónia. A gravidez é. Avancemos.

Muito rapidamente se torna evidente que a gravidez está associada para a pessoa X com grande dor, desconforto, vómitos e, portanto, um corpo enfraquecido. Torna literalmente a vida impossível. Afinal de contas, tal pessoa pode sentir que nem mesmo a gravidez desejada pode continuar.

Ela deve ser capaz de a pôr termo. E é o seu fim.

Mas, como sabemos, a pessoa X vive na Polónia. Na Polónia, onde o acórdão do ano passado do Tribunal Constitucional não endureceu a lei do aborto. Apertou a lei draconiana anti-aborto. Aparentemente, com três excepções. No entanto, mesmo no caso destas excepções, a lei é geralmente ineficaz. Provoca muitas tragédias, forçando as pessoas a procurarem freneticamente ajuda fora do serviço de saúde polaco. As pessoas grávidas normalmente encontram uma forma – se forem suficientemente fortes – de interromper uma gravidez em que não querem estar, por uma variedade de razões. Mas precisamente quando estão em condições de o fazer, e por vezes a situação de risco de vida deteriora-se rapidamente, as condições físicas e psicológicas tornam impossível a procura do aborto fora das fronteiras do nosso país. Aqui, em 1993, os detentores do poder negociaram os nossos direitos humanos, a capacidade de decidir sobre o próprio corpo, saúde e vida, a fim de aplacar a Igreja e fazer um presente ao “nosso” Papa.

A pessoa X, voluntariamente a zero, está portanto grávida. Um dos fetos do seu útero morre. Neste momento, ela deve – após ouvir uma opinião médica fiável e sem ideologia, informação sobre os prós e os contras – ter a oportunidade de decidir o que fazer com a gravidez na sua totalidade. Porque talvez já seja demasiado para ela. O feto morto será absorvido, não será absorvido – ela não quer estar nesta gravidez. E é isso mesmo. Ela não o suporta – mentalmente, fisicamente. E este é o fim. Mas mais uma vez não é o fim, porque o segundo feto está vivo, não ameaça a vida da pessoa X, por isso a gravidez continua. Talvez a pessoa X já actue, obtenha contactos, queira interromper ela própria a gravidez. Mas o seu estado piora, ela acaba no hospital. Aí a gravidez é mantida…

Nesta altura, vamos parar com esta história hipotética e esperar que ela termine relativamente feliz. A pessoa X irá sobreviver.

Mas notemos como geralmente os nossos custos psicológicos não são tidos em conta, e estão a ficar mais elevados. Estar grávida no nosso país é mais como estar paralisada pelo medo e estar à mercê de regulamentos desumanos. Colocar um feto acima da saúde e da vida de um adulto que tem uma família, amigos, planos e sonhos.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here